Testemunhos, conscientização e música na luta contra as drogas

Uma noite de emoção, conscientização e, principalmente, de esperança. Assim foi a primeira edição do Seminário de Combate às Drogas promovido na noite de segunda-feira, dia 26, Dia Mundial de Combate às Drogas. Promovido através de parceria entre o Conselho Municipal Antidrogas (Comad) e a prefeitura, o seminário teve ações durante o dia em diferentes partes do município e, à noite, encontro no Centro de Cultura.

Com participação das comunidades terapêuticas Jovens Gideões e Grupo Obra Nova, além de alunos das turmas de adolescentes da Escola Felipe Camarão, a programação da noite foi aberta pelo presidente do Comad São Sebastião do Caí e do Jovens Gideões, Gilsmar da Silva. “Estamos aqui em busca de apoio e conscientização. Os números da drogadição são alarmantes e precisam ser combatidos agora. Posso afirmar com certeza que, se a droga ainda não chegou até algum de vocês, com certeza vai chegar”, destacou Silva.

Policial por quase 30 anos, o prefeito Clóvis Duarte afirmou conhecer bem o assunto abordado no seminário. “Vi a droga destruir muitas vidas e famílias e, agora como gestor público, trabalho para que a gente consiga estancar essa sangria da nossa comunidade. Além de zelar pela nossa cidade, tenho filhos e netos e me preocupo com eles, por isso a luta contra a droga também é minha.”

 

“Temos mais de 60 mil mortes por crimes a cada ano. 85% devido ao tráfico”

 

Apresentando alguns números que mostram a dimensão do problema das drogas, o presidente das Comunidades Terapêuticas do Rio Grande do Sul, Roque Serpa, destacou a importância de dizer não desde o primeiro contato. “Temos mis de 60 mil mortes envolvendo crimes todos os anos no País, das quais 85% têm relação com o tráfico e uso de drogas. No Estado, são 7,2 mil pessoas em comunidades terapêuticas, enfrentando uma luta diária e muito difícil pra recuperar suas vidas.”

A noite também teve uma palestra com a psicóloga Terezinha Kuman, presidentes do Conselho Municipal de Entorpecentes (Comen) de Novo Hamburgo. “Trabalhamos com prevenção, educação e repressão no que diz respeito as drogas. Mas temos de aprender a intuir, a prever situações de risco para nosso jovens e adultos quando se trata dessa oenç da nossa sociedade. Temos de trabalhar o gosto por uma vida saudável, capaz de superar sem a necessidade de apoio de drogas lícitas ou ilícitas rejeições e frustrações comuns na vida moderna.”

A noite teve ainda apresentação dos rappers André Aguirres e Juliano Rimados, que animaram o público com músicas dançantes e letras sobre o perigo dos vícios e a importância da vida.