Combate à violência contra a mulher no centro do debate

573
Delegada Cleusa Spinatto destacou a necessidade do registro de ocorrência e da abertura da Casa Filhas de Maria

O auditório da Escola Estadual São Sebastião sedia na tarde desta quinta-feira, dia 18, a primeira edição da Conferência Municipal da Saúde da Mulher de São Sebastião do Caí. A atividade tem como tema central dos debates o combate à violência contra a mulher e conta com representantes das secretarias municipais de Educação e Saúde, Polícia Civil e da comunidade.

Abrindo os trabalhos, a delegada de polícia Cleusa Spinatto, que está há 12 anos no município e, desde dezembro de 2014, à frente da Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM), destacou a importância do tema da conferência. “O atendimento tem de ser em rede, e toda ela tem de funcionar. Me refiro a polícia, setores de saúde e atendimento social e psicológico. Esse ano tivemos dois feminicídios, um em Triunfo e outro em Vale Real, e isso mostra que o sistema falhou.”

Cleusa também destacou que um importante passo está sendo dado com o desenvolvimento do projeto da Casa Filhas de Maria Vale do Caí, que deve ser aberta em Montenegro para receber mulheres vítimas de violência e seus filhos menores de 18 anos. “Não temos no momento um espaço assim na região e, tenho certeza de que, sabendo que terão onde se abrigar e se sentir seguras, mas mulheres irão nos procurar e aumentar as estatísticas desse grave problema social.”

 

Caí terá três conferências de saúde em 2017

A saúde será pauta de pelo menos três encontros públicos ao longo do ano. De acordo com o secretário municipal de Saúde Diomar Machado Flores, além da ocorrida nesta quinta-feira, conferências municipais da Saúde e da Vigilância em Saúde. “Trata-se de um trabalho integrado dos diversos setores que formam a nossa secretaria e um contato maior também com os profissionais e a nossa comunidade, sempre em busca da qualificação dos serviços”, destacou Diomar.

Também presente a Conferência Municipal de Saúde da Mulher, o prefeito Clóvis Duarte destacou a importância da atividade. “A mulher é base de toda a sociedade. O índice ideal das estatísticas de violência contra elas é zero e é isso que devemos buscar. Debater o problema, destacar a importância de se fazer registro na polícia e ter a família agindo é primordial para atacar esse grave problema social.”